quinta-feira, julho 27, 2017

POR QUE TANTOS PROFESSORES DE HISTÓRIA SÃO COMUNISTAS?

Percival Puggina

         
 Perdi a conta do número de vezes em que participei de debates de natureza política ou ideológica tendo do outro lado da mesa professores de História que não dissimulavam suas convicções comunistas, ou marxistas, ou socialistas. Não são poucas, por outro lado, as mensagens que recebo contendo relatos de alunos sobre a doutrinação política desenvolvida nesses cursos tão importantes ao desenvolvimento intelectual e cultural dos estudantes. Por outro lado, sempre que conheço algum professor ou aluno fora desse mainstream doutrinário, sei que estou diante de um valoroso resistente.

         Afinal, por que tantos professores de História são comunistas? E, numa extensão disso, por que, embora em grau menor, igual tendência ocorre em outros cursos das Ciências Humanas? Creio que se trate da convergência de dois fatores. De um lado, a prévia doutrinação dos colegiais no ensino fundamental e médio; de outro, a conveniência política dos partidos mais à esquerda do leque ideológico que sabem quanto vale o domínio da narrativa histórica para as determinações políticas do presente e para os alinhamentos do futuro.

         Não se peça da ciência aquilo que ela não pode proporcionar. Os eventos da História sempre admitem várias interpretações, notadamente quando envolvem conflitos. Nestes casos, obviamente, as partes em disputa têm divergentes pontos de vista sobre os acontecimentos e farão deles relatos desiguais.

         É nessa tensão que entram Marx e suas convicções sobre o futuro. Ao se assumir como profeta, o alemão fundou uma religião, e seus seguidores são convocados a um ato de fé. Como bem ensinou Olavo de Carvalho, ao ver a história desde seu ponto de chegada, os seguidores de Marx com estrado de professor, púlpito de pregador, teclado de jornalista ou escritor, microfone de comunicador passam a ver tudo que acontece entre o ponto de partida e o ponto de chegada como pá e picareta para abrir o caminho. Portanto, não há limites para a manipulação dos fatos e não há verdades que se mantenham além do tempo necessário a dar um passo adiante.

         Eis o motivo pelo qual o que antes se chamava, de modo adequado "interpretações da História", passou a ser denominado pelos marxistas como "guerra de narrativas", desdobramento de sua indispensável luta de classes. Danem-se as perspectivas dos atores nos fatos narrados! Aliás, danem-se os próprios atores! O único interesse do relato é obter vantagem para o processo político do momento.

         Assim fica fácil entender, também, o processo pelo qual militantes comunistas insistem em dizer que lutavam pela democracia contra o regime militar nos anos 60 e 70. Ora, eles tinham e mantêm ojeriza pela democracia que denominam burguesa e, por isso, tanto se empenham, ainda hoje, em implantar seus conselhos populares (sovietes). No entanto, com vistas aos fins, reconstroem a própria história. Lutaram para implantar uma ditadura comunista de inspiração cubana em nosso país e hoje negam haver crido no que creram, pelo que pegaram em armas, e ainda creem.

         Não é possível fazer política nesses moldes sem usar e abusar da História e sem meter o dedo na jugular dos fatos.


* Percival Puggina (72), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.

Detro e Polícia Civil realizam operação contra transporte irregular



Ação aconteceu na noite desta quarta, em Nova Iguaçu

Agentes do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) e da Polícia Civil, realizaram na noite desta quarta-feira (26/07), operação de combate ao transporte irregular de passageiros sem autorização do poder concedente.


A ação, que ocorreu na Estrada de Madureira, em Nova Iguaçu, resultou na apreensão de duas vans e uma kombi "piratas".









Devido a operação ter sido realizada no turno da noite e pela localização estratégia ter sido considerada de risco, o apoio dos agentes da Polícia Civil foi considerado fundamental para a realização da ação.


Devido a operação ter sido realizada no turno da noite e pela localização estratégia ter sido considerada de risco, o apoio dos agentes da Polícia Civil foi considerado fundamental para a realização da ação.
Segundo o Diretor Técnico Operacional do Detro, João Cassimiro Araujo, a integração entre os poderes públicos é importante para o sucesso das operações de inteligência.
 






"Nós realizamos diversas operações com o apoio efetivo da Polícia Militar em todo o estado, mas nesta operação, em especial, contamos com o apoio da Polícia Civil.  Esperamos que essa relação se estreite cada vez mais, para que possamos realizar mais operações bem-sucedidas como esta", exaltou o diretor. 






 A população pode ajudar denunciando esse tipo de irregularidade, por meio do telefone da Ouvidoria (21) 3883-4141 ou pelo e-mail ouvidoria@detro.rj.gov.br. Além das operações de inteligência, o Detro também utiliza as informações recebidas para direcionar as ações de fiscalização. Os cidadãos também podem enviar informações pelo WhatsApp Fale Detro pelo número (21) 9-8596-8545. 


--

quarta-feira, julho 26, 2017

Crivella impede aumento da tarifa de ônibus



A Prefeitura do Rio conseguiu impedir, mais uma vez, o aumento da tarifa de ônibus urbanos do município em R$ 3,80. O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro acolheu pedido da Procuradoria Geral do Município. Desse modo a passagem não sofrerá reajuste. 

 Em audiência hoje pela manhã, os desembargadores da 17ª Câmara Cível, por unanimidade, deram provimento ao recurso da Prefeitura, negando pedido dos consórcios que prestam serviço de transporte coletivo de passageiros na cidade. 


O Desembargador Edson Aguiar de Vasconcelos, da 17ª Câmara Cível, considerou que a concessão do reajuste causaria prejuízos irreversíveis aos usuários de ônibus, sem que fosse apresentado um cálculo tecnicamente fundamentado que justifique o aumento.

Crivella acompanha mutirão de cirurgias de hérnia em hospital no Irajá

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, visitou nesta quarta-feira, dia 26, o Hospital Municipal Francisco da Silva Telles, em Irajá. A unidade realiza esta semana um mutirão de cirurgias de hérnia para reduzir o tempo de espera na fila do Sisreg, o Sistema Nacional de Regulação. A ação é uma parceria da Prefeitura com a Sociedade Brasileira de Hérnia e a ONG Hérnia Internacional.

Crivella cumprimenta o borracheiro Adilson de Oliveira




- Esse mutirão é um alento para quem está na fila esperando há muito tempo. Precisamos levar em consideração a idade das pessoas. As mais velhas devem ter preferência – disse o prefeito após visitar o setor de emergência do hospital, onde fez questão de cumprimentar os funcionários.



Os pacientes beneficiados já aguardavam na fila interna dos hospitais, e assim abriram vagas para aqueles que ainda estão no Sistema de Regulação do Sisreg. Eles chegam às unidades em jejum para passarem pelo procedimento no mesmo dia, com alta prevista para 24 horas. O secretário Municipal de Saúde, Marco Antônio de Mattos, ressaltou que no primeiro semestre foram feitas em todas as unidades da rede pública sete mil cirurgias a mais em relação ao mesmo período do ano passado.


- Nossos médicos e funcionários entenderam a necessidade da população e estão se esforçando para atender a todos nesses mutirões sem receber um centavo a mais no salário - elogiou o secretário.


No mutirão estão previstas operações de todos os tipos de hérnia, como inguinal, umbilical e incisional. A Sociedade Brasileira de Hérnia doa parte das telas, espécie de prótese usada nas cirurgias. Um dos pacientes é o borracheiro Adilson de Oliveira Pinto, de 26 anos, que há três meses iniciou todos os procedimentos de consultas e exames até chegar à internação nesta quarta.


- Tenho o problema há uns dez anos e venho empurrando esse tempo todo a operação, mas agora não teve jeito. Estou animado para ficar bom de vez – disse o paciente, que recebeu a visita de Crivella.



No Francisco da Silva Telles, o mutirão começou na segunda-feira, dia 24, e se repete nesta quarta, 26. Serão 12 cirurgias em cada data, realizadas pelo corpo técnico do hospital e por cinco cirurgiões convidados da Sociedade Brasileira de Hérnia. Em dois dias de mutirão, o hospital fará um número de operações equivalente à média mensal do procedimento na unidade.

O mutirão vai acontecer também no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, nesta quinta e sexta-feiras, dias 27 e 28, com um total de 40 cirurgias previstas. Mensalmente, a unidade faz em média 400 cirurgias de todos os tipos, das quais até 15 são de hérnia. Ou seja, em dois dias será realizado um número de procedimentos equivalente a praticamente três meses de produção cirúrgica específica para essa patologia.


A hérnia ocorre quando parte de um órgão (normalmente alças do intestino) se desloca através de um orifício do corpo, causando uma espécie de saco. A cirurgia de hérnia, na maioria das vezes, é um procedimento eletivo, ou seja, sem urgência, e por isso os pacientes acabam aguardando um longo período para serem operados. No Sisreg há atualmente cerca de 5 mil pacientes cadastrados com diagnóstico de hérnia esperando encaminhamento para consulta pré-cirúrgica.



QUANDO ATÉ A INDIGNAÇÃO É CORROMPIDA

Percival Puggina


         Um grupo de atores e artistas liderado por Caetano Veloso, criou o blog "342 Agora" e produziu um vídeo convocando a sociedade para mobilizar congressistas a aprovarem o processo contra Michel Temer. Com estudada indignação, proclamam frases como:

·        Ele merece ser julgado pelos crimes que cometeu;

·        Qualquer cidadão que está sob suspeita tem que ser investigado, por que teria que ser diferente com o presidente da República?

·        Eu posso ser investigada, você pode ser investigado, ele tem que ser investigado;

·        Um presidente ser acusado de corrupção passiva, formação de quadrilha e obstrução da justiça, não dá!

·        Agora é deixar de lado nossas diferenças e se  juntar por uma causa que é importante: o Brasil.

·        O futuro do Brasil depende de você.



         Tudo muito certo, mas não recordo de ter ouvido qualquer desses senhores e senhoras expressando indignação com os bilhões de reais desviados para contas privadas, para operadores partidários, para dirigentes de estatais com rateios previstos entre partidos, sempre cabendo ao PT a maior quota-parte. Não ouvi um murmúrio sequer que pudesse ser entendido como decepção com o Bolsa Magnatas distribuída a figuras como Eike Batista e os irmãos Wesley e Joesley, com as contas-correntes nas grandes empreiteiras, com o conteúdo das delações que nominam pessoalmente dirigentes do PT, do PMDB, do PP (todos com 13 anos de serviços prestados ao governo petista). Nem um pio deram quando a Petrobras, tendo Dilma Rousseff como presidente do Conselho Deliberativo, fez a negociata de Pasadena, ou quando o BNDES jogou bilhões de reais nossos no poço sem fundo dos comunistas cubanos e venezuelanos, e de ditadores companheiros mundo afora. Uma cortina de silêncio parece encobrir de seus ouvidos o que as delações berram quase todo dia.



         Muito oportunista, portanto, essa empolgação moral. Sobreviveram sem qualquer incômodo através de uma década inteira de falcatruas, de inusitadas fortunas que luziam ante os olhos mais distraídos, de famílias inteiras, como a Da Silva, que saíram do subemprego para o mundo dos grandes negócios. Agora, que a acusação recai sobre o odiado Michel Temer - o primeiro a sentar na cadeira que tinham como sua para sempre - retomam o discurso golpista que grita "Fora!" a qualquer um que apóie o traseiro onde querem sentar.



         Quando o Congresso Nacional, em constitucional e prévio juízo político assim decidir, responda Temer por todos os crimes que tenha cometido. Celebrarei o evento.  Mas não venham os irados do blog "342 Agora" com essa indignação de meia boca, hipócrita, corrompida, cuja exclusiva finalidade é atender suposta conveniência de quem comandou o maior esquema de corrupção política da história nacional.

 ________________________________

* Percival Puggina (72), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.